Posso me defender?

Hoje eu saí cedo de casa, caminhando apressada para pegar o ônibus, com uma sacola pesada na mão, tentando achar o cartão transporte. A minha casa fica a exatamente uma quadra da estação tubo, e hoje foi só de uma quadra que eu precisei para ser assediada.

Eu já estava quase lá, chegando na esquina, quando escuto um homem falando pro amigo dele “Noooooossa, olha isso cara” e apontando na minha direção, com uma expressão ridícula no rosto, que mais parecia alguém que nunca viu uma mulher na vida. É meio óbvio dizer que me senti um objeto em exposição. Sabe quando seus amigos estão vendo um carro novo na vitrine e soltam um “Noooooossa, olha isso cara”? Então, foi idêntico.

Cantada “leve”? Para alguns pode parecer (apenas para quem não tem que aguentar isso todo dia e não é obrigado a viver essa rotina, pretendo fazer um texto explicando esse processo mais pra frente), pra mim é o suficiente para tirar minha paciência e me arrancar um palavrão. Mas hoje eu decidi ser educada. Já que a cantada foi “leve”, respondi no que pode ser considerada uma pergunta leve:

– Perdeu alguma coisa aqui?

– Perdi meu ouqwv023nuiaew?ça (juro que eu me esforcei mas não entendi o que ele disse, devia estar bêbado)

– Não cara, eu acho que você perdeu foi o respeito.

Simples. Fui até muito educada pro meu gosto, mas to tentando manter um diálogo mais calmo pra ver se os caras entendem o meu lado. Não adiantou nada. O indivíduo soltou uma enxurrada de palavrões, frases pornográficas, ficou gritando até que eu chegasse no tubo. Eu fiquei um pouco assustada. A coisa começou de maneira branda, minha resposta foi objetiva, mas o cara perdeu totalmente a cabeça.

Eu podia ter me arrependido da resposta que eu dei, podia desistir de todas as respostas que eu decidi dar para todos os folgados que estragam o meu dia, mas a conclusão a que eu cheguei foi diferente. Eu percebi que na cabeça dele, ele pode fazer e falar o que quiser, mas eu não tenho direito a dar uma resposta. Na cabeça dele, ser homem vem com essa exclusividade de falar o que bem entender pra uma mulher sozinha na rua, mas se essa mulher tentar fazer qualquer coisa para afirmar sua condição de ser humano e, como ser humano, digna de respeito, então ele perde a paciência. “Como ela se atreve a me responder?”

A partir de agora eu vou responder, sim. Vou responder desde a cantada mais inocente até a passada de mão na minha bunda. Não gosta de ouvir minha resposta? Não me dê motivos para te responder. Acha que é muita folga uma mulher dizer alguma coisa depois de ser assediada? Acostume-se. Já faz tempo que a gente não abaixa mais a cabeça, está mais do que na hora de começarmos a usar a própria voz.

Anúncios

7 comentários sobre “Posso me defender?

  1. Sou homem e concordo que essas cantadas sao escrotas, ridiculas. Mas pega leve com as cantadas inocentes que voce falou. So salientando que nunca usei e provavelmente nunca usarei uma cantada, que e’ uma linha pronta e na maioria das vezes brega que alguns caras mesmo sabendo que nunca funcionaria insistem em usar. O que eu ja’ fiz, foi ver alguma garota que chamou minha atencao de alguma maneira e ir falar com ela, mesmo sendo no meio da rua e mesmo estando nervoso pra caralho haha. A partir dai’ ela pode gostar ou nao de mim, se nao gostou, a gente se despede e ninguem perdeu mais que um minuto do dia.
    Ja’ ate’ namorei por 7 meses ano passado uma garota que eu conheci nessas circunstancias. Entao fico pensando, e se a pessoa que seria a “the one” passasse por mim e eu nao abordasse por causa de mais uma das convencoes sociais que somos condicionados constantemente? Tenho que me limitar ao meu circulo social pra conhecer a mulher da minha vida? Mesmo que a chance de uma garota aleatoria que eu vi na rua e me interessei for de 0,0000000001% de ser ela, nao vale a pena tentar? Claro que nao saio por ai abordando tudo que passa por mim, na verdade acontece ate meio que raramente, mas acho que isso que eu faco esta beeem longe de ser assedio.

    • Oi Ricardo, que bom que você tocou no assunto. Acredito que você seja o tipo de cara que sabe como chegar em uma mulher quando está interessado e neste ponto eu realmente sou super a favor da abordagem, desde que exista interesse das duas partes e que tudo seja feito com respeito (que acredito ser a sua forma de começar a abordagem já que obteve sucesso). O que nós todos sabemos é que existe uma diferença bem grande entre tentar uma aproximação por real interesse e o assédio. Sou contra o assédio, nunca contra um cara bacana que vê uma moça interessante e que tenta se aproximar. Aliás, conheci meu namorado em uma dessas situações, ele foi super educado e só se aproximou depois que percebeu que eu tinha dado espaço. Se essa é realmente a sua forma de agir, meus parabéns, você é um exemplo a ser seguido e não se encaixa em nada do que eu disse no texto, realmente sua atitude está bem longe de ser de um assédio (:

      • Sinceramente acho ridículo seu comportamento. Se vc mesmo confessa que o homem deve tomar a atitude de se aproximar deixe que cada um faça da sua maneira ( desde que não te agrida ou te encoste) . É muito mimadinho da parte de vcs exigirem a “atitude” para chegar e ainda por cima que cheguem da maneira que vcs julgam certa. Faz o seguinte (para todas as mulheres) NUNCA mais fica com um homem que chegue em vc e sempre chegue nos homens que vc quer. Em pouco tempo acaba essa historinha ai .

    • Ricardo, o problema não é o flerte, é a FALTA DE RESPEITO. Cantada é uma coisa, chegar e tentar conhecer uma pessoa é outra coisa! Aliás, quem tem que decidir sobre o que se deve pegar leve ou não é a MULHER, não o homem. Fica a dica.

  2. Vem cá posso me sentir ofendido pelas mulheres que se vestem de maneira extremamente sensuais na rua?( mesmo gostando) Aposto que vai dizer que não pois é um direito dela certo? Assim como é um direito do cara se dirigir a vc sem te xingar. O apelo visual também é invasor, sou obrigado a ser tentado por todas as mulheres que ficam encravando o short na bunda? Ahhh vai dizer que elas não fazem isso pensando em estimular os homens? Ahh tá bom porque será que nenhuma delas se veste como uma freira franciscana . Aposto que não receberam nenhuma cantada

    • Cara, nesse calor infernal de Curitiba eu tenho que ver homem sem camisa todo dia e nem por isso fico de mimimi eles tão me provocando. Eu não sou um monstro descontrolado que tem que gritar em voz altas todas as minhas necessidades sexuais quando elas aparecem.
      Você acha que pode fazer esses julgamentos em cima da roupa que uma mulher decide usar porque no momento em que você nasceu com um pênis te ensinaram que você tinha poder para isso. E eu to aqui te dizendo que você não tem.
      E por incrível que pareça, a maioria esmagadora das mulheres não faz nada para chamar a atenção de vocês. Por mais incrível que pareça, nosso mundo não gira ao redor do que vocês pensam. Então a mina com o shorts encravado na bunda não colocou o shorts pensando em te provocar, você não é tão importante assim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s