Quando eu sou a amiga negra que te torna imune a ser acusado de racismo

A frase de defesa mais usada pelos racistas de plantão? “Eu não sou racista! Tenho um amigo negro”.

Vamos começar dizendo que ter um amigo negro no Brasil não faz com que você esteja automaticamente protegido de cometer atitudes racistas. Tolerar um negro aqui é fácil, é regra. E para os desinformados, aqui os casos mais recorrentes de racismo são estes entre rodas de “amigos”, no almoço de domingo da família, na “piada” com aquele negro que você conhece desde a infância. O racismo brasileiro não é escancarado para todos verem, o racismo brasileiro é diferente, sutil. A maioria esmagadora dos casos de racismo que negros brasileiros sofrem ocorrem dentro do círculo de amigos e familiares. Então, ter um amigo negro só me faz pensar que você tem uma possibilidade muito grande de ter sido algoz de uma das situações discriminatórias que esse indivíduo sofreu.

“No meu país o preconceito é eficaz, te cumprimentam na frente e te dão um tiro por trás”.

Mas minha conversa hoje é com os racistas que ME usam para justificar suas atitudes.

Ontem tive uma discussão com uma cantora gospel que fez não uma, mas duas (no mínimo) postagens extremamente discriminatórias. Quando fui cobrar que ela ouvisse o que os indivíduos negros que se ofenderam com seu posicionamento tinham a dizer sobre o ocorrido, ela começou a entupir minha tela do notebook com imagens de todas as pessoas negras que ela conhece. Típico. Eu disse que ela não podia usar a imagem das pessoas desse jeito, que isso é ofensivo. Não adiantou, ela continuou mandando as fotos. Eu disse que não ligava para as pessoas negras que aturam ela. Piorou. Ela perguntou se eu tinha ideia de quantas missionárias negras ela sustenta na África. Desisti.

E aí eu fiquei realmente pensando na imagem de todas aquelas pessoas. Aqueles “amigos” que de alguma forma tem contato com esse indivíduo incapaz de ouvir o que uma mulher negra tem a lhe ensinar sobre racismo. Eu fiquei pensando que eles não devem nem imaginar que essa mulher estava usando a imagem deles para justificar uma atitude discriminatória. Imaginei se fosse comigo, e cheguei à conclusão de que as chances de que alguém que me conhece tenha um dia feito a mesma coisa que essa mulher fez com os conhecidos dela são muito grandes.

Então, aqui vai minha mensagem para você, conhecido, amigo de infância, colega dos tempos de colégio, primo distante, vizinho que não me dá bom dia: Minha imagem, minha existência e meu inevitável contato com você não estão disponíveis como argumentos de defesa contra acusações de racismo. Eu não sou sua prova concreta de que você não é racista. Eu não permito que você utilize minha imagem para falar o que bem entender e depois sair ileso pelo simples fato de ser capaz de me tolerar. E se você tiver uma atitude racista e eu souber que você me usou para minimizar o seu crime, eu vou pessoalmente até a pessoa que te acusou e dizer que não te conheço e nunca vi mais hipócrita.

E aos que estão chocados porque realmente já me usaram como elemento salvador que fornece imunidade a acusações de racismo: esqueçam meu nome, esqueçam que eu existo e tomem vergonha no meio da cara.

Não sou sua proteção e não defendo racista. Rala!

 

Anúncios

5 comentários sobre “Quando eu sou a amiga negra que te torna imune a ser acusado de racismo

  1. Prima Stephanie! Gosto muito dos teus textos, e de tudo que você aponta aqui, realmente vejo que é real, não só nessa postagem. Mas você já parou para pensar que do mesmo jeito que pessoas próximas utilizam ‘brincadeirinhas’ com você, por ser negra, ou simplesmente por dizer algo e ser levado para o lado do racismo, não está sendo um exagero? Não estou falando do fato em que está falando dessa tal cantora, o que ela pode ter te falado, realmente pode ter sido de certo modo sem noção dela, mas vejamos pelo fato de eu ser extremamente branca e magra! Quantas vezes falam isso para mim, la de casa mesmo, e eu levo numa boa, mas pensando por essa lado, de dizer que tudo é contra a pessoa, então tb estou sofrendo um racismo (ou no meu caso por ser branca eu sofro só pre-conceitos?)?
    Entendo MUITO (você pode até não acreditar) o quanto ser negro é realmente dolorido para aqueles que não se aceitam, conheço vários negros que já me contaram que passam por isso diariamente e injustamente, tudo o que você conta é apenas uma parte do que realmente deve ficar guardada dentro de você e que talvez você não tenha nem coragem de expor muitas coisas piores que passa.
    Só que eu sei que você se aceita do jeito que é e acho que essa já é a diferença para entender certas coisa, e não levar ao extremismo de tudo estar CONTRA você e CONTRA a sua cor.
    O que me levou a escrever isso para você prima, não é para contrariar nada , nem querer que você mude seu jeito, e minha opinião simplesmente….. mas o fato de talvez me restringir a fazer certos comentários para você quando estivermos juntas , ou pensar muito antes de falar algo para você que possa de certo modo ser aceito como um ‘racismo sutil’. Na verdade isso eu já venho fazendo, pois nunca dá pra saber o que pode te deixar de cara ou não, já não comento mais sobre seu jeito, porque não sei se isso pode te ofender e você achar que eu estou zoando com você.
    Só não afaste pessoas que realmente querem o seu bem , por tb ficarem receosas em falar com você, e serem taxadas, em dizer que seu cabelo é sim bonito pelo jeito que é (e sim, a mistura na nossa família, fez seu cabelo que poderia ser só crespo, ser de certa forma um enrolado liso diferente e que quem vê comenta sim, pois quantas não queriam ter cachos que ficam arrumadas na cabeleira…) , que você tem um corpão SIM de negra e que não é racxismo de ninguem te falar isso, temos que separar os que realmente falam pq acham de verdade e os babacas que em algum momento da tua vida te feriram com palavras fúteis devido a sua raça.
    Aah, e vou aproveitar aqui já para me desculpar, já que provavelmente já fiz alguma menção para você em tom, então, racista sem essa intenção, sendo que a gente vive juntas desde que nascemos e eu antigamente nunca deixava de tirar um sarrinho seu quando podia.

    Eu amo você do jeito que você é, hoje em dia já estou ficando mais velha e entendo muitas coisas, mas não quero um dia não poder nem sequer olhar para você, comentar algo, e você tirar conclusões que é porque vc é uma negra (linda)!

  2. Texto maravilhoso, Stéphanie! Há muito tempo isso estava engasgado na minha garganta e hoje encontrei um texto que explica tudo o que sinto muito bem. Quantas vezes eu, menina negra que vive em locais de maioria branca por estar na classe média, não passei por isso? Na verdade, não importa os locais a que frequento, a classe, sofreria de forma parecida, digo mais, igual. Percebi com os anos que não tenho amigos negros. Todos com quem fiz amizades são brancos. Quando realmente notei isso fiquei um pouco assustada e hoje, com o pouco a mais de consciência que tenho, tento mostrar a eles que não sou escudo pra racista nenhum e faço cara feio, brigo mesmo se precisar, quando presencio algum comentário do tipo. Ainda é difícil para mim. Levantar a voz é algo que precisa de prática, mas se eu não lutar, quem mais lutará por mim e pelas outras crianças negras, adolescentes… nesse mundo de hipocrisia? Até logo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s