Tentou ser “só” homófobico mas acabou sendo racista.

Eu queria escrever sobre isso há algum tempo, mas acabei deixando de lado. A declaração, que parece ser uma das preferidas do polêmico em questão e de alguns conservadores que possuem uma opinião bem parecida, foi novamente feita há poucos dias atrás, em um evento que protestava contra o casamento gay, contra a criminalização da homofobia e a favor do Estatuto do Nascituro. O pastor Silas Malafaia soltou a seguinte frase:

Tentam comparar com racismo, mas raça é condição, não se pede para ser negro, moreno ou branco. Homossexualidade é comportamento. Ninguém nasce homossexual.¹

Uma declaração bem parecida foi feita pelo atual presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, que foi alvo de duras críticas e muitos protestos após assumir o cargo, porém com um agravante, citando negros e índios.

Malafaia gosta de repetir os mesmos argumentos furados, e eles são vários, mas quero falar especificamente sobre este: o direito que ele diz ter de discriminar homossexuais, simplesmente por acreditar que a homossexualidade é uma escolha (ele diz ter outros motivos igualmente absurdos para lutar pela garantia de que pode ter preconceito, mas este, particularmente, me incomoda um pouco mais). Existem argumentos para derrubar esse papo furado de “não existe ordem cromossômica homossexual”. Eu não sou especialista no assunto e não vou me arriscar a falar sobre genética, então aqui tem o link  com a resposta do geneticista Eli Vieira à entrevista que Malafaia deu no programa da Marília Gabriela.

Meu objetivo aqui não é nem o de derrubar essa ideia (que eu discordo totalmente) de que as pessoas escolhem ser homossexuais. Supondo que a explicação do video acima não tenha feito sentido e você continue achando que homossexualidade é opção, vamos agora falar sobre a declaração que relaciona homofobia e racismo.

Entrando na cabeça de Malafaia, Feliciano e seus seguidores, o racismo não pode ser comparado com a homofobia porque negros não escolhem ser negros, já homossexuais tem o poder de escolha, e mesmo assim escolhem o lado “””errado“””. Eu vou usar essa mesma linha de pensamento para uma situação hipotética: imagine que o mundo fosse diferente do que nós conhecemos, imagine que as pessoas tivessem mesmo a chance de escolher a própria cor de pele. Na sua frente aparecem várias opções, do tom de pele mais claro ao mais escuro, passando pelos tons avermelhados e amarelados. Você escolhe a sua cor, ganha um corpo e é encaminhado à Terra para viver. Se essa situação fosse realidade hoje, seguindo a linha de raciocínio dessas pessoas, qualquer um teria o direito de discriminar pessoas negras. Afinal, você tinha a opção de ser da cor que você quisesse e mesmo assim quis ser da cor preta. As opções foram dadas, você não escolheu a cor certa, agora aguente as consequências. Eu posso sim pregar na minha igreja que quem escolhe ser negro não herdará os reinos dos céus, eu posso sim dizer que essas pessoas escolheram ser assim por algum trauma de infância, eu posso sim dizer que é errado quando eu vejo um negro na rua, posso inclusive proibir que eles tenham os mesmos direitos que eu tenho, porque é uma ESCOLHA.

Absurdo? É exatamente assim que a comunidade LGBT é tratada por pessoas que pensam desse jeito. Não há justificativa nenhuma para discriminar homossexuais baseado simplesmente na falácia de que “eles são assim porque querem, eles escolheram o caminho da perdição”, porque em NENHUMA situação em que uma pessoa pudesse escolher ser diferente do que você é, você teria a liberdade de julgá-la, condená-la e/ou persegui-la por isso.

Essa menção ao racismo, feita dessa forma, coloca o negro como alguém que só é assim porque não teve opções. Não é permitido discriminar negros porque não é culpa deles terem nascido assim. Se eles pudessem escolher, não seriam negros e não seriam alvo de preconceito. Esses pastores esqueceram de mencionar que não é permitido discriminar nenhuma pessoa, em nenhuma situação. E agora não estou falando da lei dos homens (que eles, apesar de abominarem, querem ter uma pontinha de participação também), estou falando da “lei de Deus”. Eu ouvi tantas vezes que Deus não faz acepção de pessoas (aqui, aqui e aqui), por que não colocam esses versículos lindos em prática?

Realmente, eu não entendo a implicância que as pessoas tem com quem é diferente. Existem saídas muito mais cristãs para a questão do homossexual no Brasil. Se você acha que certa atitude é errada, a única coisa que você pode fazer é não praticá-la, você não pode obrigar todas as pessoas a pensarem como você pensa, principalmente porque você não é dono da razão. Não adianta falar que está na Bíblia, porque a Bíblia também não é a dona da razão, é um livro enorme com várias histórias e carregado de sabedoria, o mesmo livro que foi usado para justificar atrocidades cometidas pela humanidade (atrocidades justificadas pela Igreja), Bíblia não é lei. Pode ser para você, e nesse caso voltamos ao meu primeiro conselho: viva o que você acredita, mas nunca limite a vida de outras pessoas baseado na sua opinião pessoal. Impedir homossexuais de se casarem, impedir que eles tenham filhos, impedir que possam demonstrar afeto (sim, AMOR, lembra de Jesus?) em público e o pior, impedir que eles possam se defender (quem é contra a PLC 122 faz justamente isso). Onde é que vocês querem chegar com tudo isso? Vocês sinceramente acham que Deus fica anotando todas as atrocidades que vocês defendem num bloquinho pra dar os parabéns no “dia do juízo”? “Parabéns Malafaia. Você perdeu horas dizendo em rede nacional que um grupo de pessoas não deve ter os mesmos direitos que você sempre teve, porque isso seria privilégio, apesar de até então o privilégio ser todo seu. Não tem problema distorcer informações, pesquisas científicas e incitar o ódio em escala tão grande, o que importa é que você chamou bastante atenção ao problema e trouxe muito orgulho ao seu Pai. Pode entrar, as portas do céu estão abertas para você, ao contrário dos afeminados, aqueles ali eu já mandei pro inferno com dor e sofrimento eterno, é realmente um absurdo o mal que essa gente fez”. É esse o deus que essas pessoas seguem? Elas acreditam mesmo estar lutando por uma causa justa, uma causa cristã, de pessoas boas, que vão ser exaltadas perante o Criador e receberão a vida eterna? Esse não é nem de perto o Deus que eu conheço.

O que eu vejo é gente agindo de má fé. Eu conheço a Bíblia, sei que existem coisas maravilhosas escritas nesse livro, ensinamentos preciosos que podem ser usados para fazer muita coisa boa, e quando eu vejo um grupo de pessoas e -pior- pastores pegando trechos dessa mesma Bíblia para gerar segregação, ódio, tratamento diferenciado e condenação eu tenho certeza de que a verdadeira escolha que existe aqui é a de ser intolerante.

Afinal, vocês tiveram a opção de fazer o bem, mas escolheram fazer o mal. A única diferença é que eu não vou discriminá-los pela opção errada que vocês escolheram. Vou tentar praticar o amor ao próximo que eu aprendi com o meu Deus, e falar sem permissão com todo o carinho, que vocês não são cristãos, vocês são apenas disseminadores de ódio.

¹ Fonte

Anúncios

Falando sem permissão

Eu aprendi cedo que existem assuntos que não devem ser mencionados em uma roda de amigos de classe média. As pessoas vão fazer pouco caso, aproveitar para fazer piada, inverter a situação para se colocarem como vítimas ou ficar bravas. Por incrível que pareça, o fenômeno se repete no ambiente virtual.

Nos últimos meses eu tenho me posicionado de forma mais clara com relação aos problemas sociais e raciais do Brasil. Dou minha opinião, compartilho informações que eu acho relevante, leio tanto quanto me é permitido. Nos últimos meses, eu tenho incomodado muita gente.

Por que as pessoas se posicionam tão na defensiva quando o problema tratado não é com elas? Tenho minhas teorias, mas não acho que seja o suficiente para responder à questão. O fato é que incomoda sim, o suficiente para algumas delas ficarem ofendidas com meu posicionamento.

Quando eu falo sobre um problema racial, vem branco (irritado) me dizer que racismo não existe. Quando eu falo de um problema de gênero, vem homens (amigos?) fazer pouco caso e me chamar de chata. Quando eu falo de homofobia, vem hétero (macho! muito macho!) dizer que a “ditadura gay” quer privilégios para homossexuais. Liberdade de opinião é direito de todos, e não existe problema algum em escutar ou ler um posicionamento diferente do meu. O que me incomoda é a forma como algumas pessoas ficam ofendidas, achando que eu não deveria dizer essas coisas simplesmente porque no mundo delas esses problemas não existem.

Mas este é o MEU mundo. Um lugar onde eu posso desabafar, dialogar, denunciar, expôr e fazer o que eu bem entender. É feito por mim e para mim, mas você é muito bem vindo se quiser ler, dividir experiências, dar opiniões ou me explicar, de forma racional e civilizada, porque você não concorda com o que eu penso. Se você não gosta/acha chato/ficou bravo/quer me mandar calar a boca este não é um lugar pra você.

Aqui, eu não preciso da sua permissão para falar.